O mercado de trabalho cresce cada vez mais para os chamados nômades digitais, freelancers, profissionais autônomos e qualquer um que se aventura pelo mundo da tecnologia.

Há uma tendência crescente de vários setores em contratar funcionários para trabalhar em regime de home office – algo que, para o português, seria traduzido como “escritório doméstico”, mas que pode ser melhor interpretado como o regime no qual se trabalha de casa mesmo (ou de qualquer lugar onde você consiga uma conexão com a internet).

As tendências do home office

Com tecnologias cada vez mais avançadas, principalmente para quem vive nas grandes metrópoles, a possibilidade de trabalhar remotamente é cada vez mais lógica e, mais do que isto, necessária.

Não parece fazer muito sentido ter que enfrentar horas no trânsito e nos engarrafamentos intermináveis típicos da maioria das grandes cidades para, depois disto tudo, sentar em uma cadeira na frente de um computador e realizar tarefas e procedimentos que poderiam ser feitos em casa - ou qualquer outro lugar mais acessível que forneça conexão com a internet.

É claro que várias atividades exigem a presença física em um ambiente determinado, mas muitas delas permitem uma maior flexibilidade, facilitando o home office.

De acordo com dados do Fórum Econômico Mundial (World Economic Forum), em 2019 aproximadamente 7% dos funcionários de empresas privadas trabalhavam remotamente.

Este número cresceu mundialmente por conta da atual pandemia de Covid-19, mas ainda representa uma minoria.

No Brasil, com dados de 2020, o home office já é uma realidade para seis em dez pessoas de acordo com um estudo feito pela Hibou.

Mas, por aqui, ainda há uma grande limitação por conta de infraestrutura, já que grande parte do país não conta com conexões estáveis, o que prejudica o trabalho remoto.

Há ainda também uma cultura muito forte no país de supervisão dos chefes em relação aos funcionários, criando ambientes com baixa confiança mútua e um grau muito ruim de autonomia para o desempenho dos procedimentos de trabalho.

Dicas de segurança para o trabalho remoto

Se, com todas as vantagens e desafios, trabalhar em casa é a sua realidade, é essencial adotar várias medidas e procedimentos para aumentar sua segurança cibernética, já que lidar com o mundo virtual envolve uma série de riscos.

Há uma infinidade de malwares (códigos maliciosos usados para executar atividades prejudiciais) usados por criminosos para roubar informações, invadir dispositivos e sistemas, diminuir o desempenho do seu hardware e, enfim, realizar toda uma imensidão de ataques que prejudicam não só o seu trabalho, mas a sua segurança e a segurança das suas informações e dados das pessoas que trabalham com você – incluindo clientes e terceiros.

Em ambientes corporativos com equipes de TI e profissionais de segurança, é muito mais fácil garantir a integridade dos dispositivos, das redes e dos procedimentos. Em casa, os funcionários ficam muito mais expostos às ameaças diversas e, consequentemente, seus trabalhos ficam comprometidos.

Há uma série de dicas que podem ajudar a minimizar ou anular estes perigos, especialmente no seu ambiente de home office.

O hábito faz o monge

Em primeiro lugar, você deve tomar todos os cuidados de segurança, incluindo os mesmos cuidados que você teria em um ambiente profissional, corporativo. Trabalhar em casa não significa trabalhar de modo amador. É essencial manter a segurança dos seus dispositivos, ter um antivírus profissional e manter seu firewall ativo o tempo inteiro.

Você também deve tomar todo cuidado com o que baixa, o que recebe e o que envia. Seu tempo de trabalho não deve ser fragmentado com o uso de redes sociais, perfis diversos e qualquer outra coisa que possa tirar seu foco – e, assim mesmo, diminuir seu cuidado e sua atenção.

Adotar hábitos de cuidado com sua segurança é o primeiro passo para diminuir qualquer risco que possa comprometer a qualidade e a confiabilidade do trabalho que você realiza.

Fazer verificações constantes nos seus dispositivos, manter senhas fortes e seguras e jamais compartilhá-las com terceiros são procedimentos simples e essenciais que você deve ter independentemente de trabalhar em um escritório na empresa, no sofá da sua casa ou durante uma viagem.

Outra dica essencial é jamais compartilhar seus dispositivos de trabalho com terceiros. Seu computador, notebook, smartphone ou tablet de trabalho não são instrumentos de brinquedo para filhos, parentes, amigos ou muito menos pessoas desconhecidas. Saiba separar seus instrumentos de trabalho daqueles de uso cotidiano e lúdico.

É essencial usar uma boa VPN

Um recurso indispensável para melhorar a segurança do seu trabalho remoto é a VPN. VPN significa Virtual Private Network (“rede virtual privada” em português) e, basicamente, serve como uma rede particular construída “em cima” da arquitetura oferecida pelo seu provedor de internet.

Uma boa VPN usa camadas de segurança como o PPTP (Point-to-Point Tunneling Protocol – protocolo de “tunelamento” ponto a ponto), que serve para garantir a segurança entre as extremidades de uma conexão.

Mas, hoje mais obsoleto, o PPTP foi amplamente substituído por tecnologias mais avançadas, como o IPSec (IP Security Protocol, ou “protocolo de segurança IP”), que garante criptografia para os dados de uma conexão usando como base protocolos IP.

As opções mais profissionais de VPN oferecem tecnologias mais avançadas de criptografia, ou seja, recursos mais robustos para garantir a segurança do fluxo de informações na sua rede. Essa segurança é feita basicamente por um processo chamado de tunneling (“tunelamento”, ou a construção de um “túnel”), no qual as partes que enviam e recebem informações passam a fazer essa troca por um caminho seguro e protegido.

Teoricamente, é quase impossível sofrer ataques e quebra de segurança por meio destas criptografias mais avançadas. Isto significa que, ao trabalhar em home office (ou em qualquer outro ambiente), você vai dispor de um nível mais elevado de segurança, reduzindo as ameaças e potenciais quebras de integridade.

Como escolher uma boa VPN

Há várias opções disponíveis no mercado, mas é importante saber filtrar as boas das más. Uma boa VPN oferece bons recursos de criptografia, conta com ótimo suporte ao consumidor e oferece boas opções de servidores ao redor do mundo – o que é ótimo caso você precise acessar recursos que, por questões diversas, podem estar bloqueados na sua região.

Dê preferência às opções pagas e profissionais, pois elas apresentam maior confiabilidade, melhor atendimento ao cliente e, claro, mais respaldo para suas atividades. É preciso tomar muito cuidado com programas maliciosos que se disfarçam de VPNs legítimas.

Aliado a bons hábitos de segurança e comportamentos responsáveis em relação à integridade de arquivos, senhas e usos de dispositivos, uma VPN profissional é uma camada adicional e excelente para proteger seu trabalho e garantir sua segurança, a segurança da sua empresa e de todos os clientes e pessoas envolvidas em seus diversos processos.

Conheça a Gestão de Mudanças