Os tempos atuais são de luta pelo reconhecimento e empoderamento feminino. Volta e meia, vemos matérias jornalísticas sobre mulheres ocupando altos cargos que tradicionalmente só eram alcançados pelos homens. Mas, falando de uma área mais específica, você já parou para pensar sobre a atuação das mulheres na TI?

A Tecnologia da Informação ainda é uma das áreas predominantemente masculinas e as mulheres que escolhem carreiras nesse segmento quase sempre encontram dificuldades para se firmar.

Você sabia que apenas 30% em média dos colaboradores de empresas como Google, Apple e Facebook são mulheres? Sabia que somente 11% dos cargos executivos no Vale do Silício têm ocupação feminina?

Na prática, as mulheres ainda são minoria no segmento de TI, ainda que sejam delas alguns dos grandes feitos na área e que seu grande potencial seja irrefutável.

Há expectativas de um aumento da representatividade feminina em setores ligados à tecnologia nos próximos anos, mas, até sua concretização, os desafios serão muitos.

E o primeiro passo para a mudança é a reflexão sobre o assunto: que tal tentar entender os motivos que levam o número de mulheres na TI ser bem menor do que o de homens? E que tal conhecer melhor os desafios enfrentados pelas mulheres quando optam por essa carreira?

O assunto deste artigo, claro, são as mulheres na TI. Se você é mulher e atua (ou pretende atuar) nesse ramo, esperamos que este post te traga motivação.

E se você é um homem que trabalha na área de TI, também precisa ler este artigo, pois há muitas razões para apoiar e motivar o sucesso feminino.

Veja nos tópicos seguintes o histórico de sucesso das mulheres na TI e os desafios a serem superados por elas.

Histórico das mulheres na TI

Apesar da baixa porcentagem de mulheres na TI, muitas revolucionaram as tecnologias ao longo da história. E neste tópico vamos citar 10 delas.

  • Augusta Ada King, a condessa de Lovelace, era também escritora e matemática. Ela usava ferramentas analíticas de um matemático para fazer traduções para outro matemático. Seu trabalho resultou no primeiro algoritmo do mundo, numa época em que nem se sonhava com a criação dos computadores;

  • A Irmã Mary Kenneth Keller, freira e cientista da computação, foi a primeira mulher a obter o título de doutora no segmentona área nos Estados Unidos e contribuiu muito para a criação da linguagem de programação Basic;

  • Jean Sammet, também doutora em Ciência da Computação, criou a Formac, uma das primeiras linguagens de computador;

  • Frances Allen, primeira mulher a receber o prêmio Turing Award, criou sistemas de segurança da NSA e desenvolveu trabalhos importantes relacionados a compiladores, computação paralela e otimização de códigos;

  • Carol Shaw, engenheira da computação, foi funcionária da Atari, sendo a primeira mulher desenvolvedora de jogos eletrônicos do mundo;

  • Susan Wojcicki, CEO do Youtube, ajudou a desenvolver ferramentas como o Google Imagens e o Google Books. Já foi considerada a 12ª mulher mais poderosa do mundo pela Revista Forbes;

  • Ursula Burns, CEO da Xerox, é a primeira mulher negra a dirigir uma corporação do setor nos Estados Unidos;

  • Sheryl Sandberg já foi vice-presidente de operações do Google e hoje atua no Facebook. Ela já foi considerada a 10ª mulher mais poderosa do mundo pela Revista Forbes;

  • Angela Ahrendts já compôs o conselho de negócios do primeiro ministro do Reino Unido e atualmente ocupa o cargo de vice-presidente da Apple;

  • Camila Achutti, jovem empresária brasileira da atualidade formada em Ciência da Computação, é dona de duas startups milionárias ligadas à inovação, além de incentivadora do ingresso de mulheres na TI.

Gostou dos nossos exemplos do sucesso de mulheres na TI? E elas não são as únicas. Provavelmente, ao ler esse tópico, você pensou em mais alguém.

Elas e tantas outras provam todos os dias que é possível obter sucesso em uma esfera até hoje dominada por homens e são referenciais para que outras mulheres se interessem pelo ramo.

Mas, se as mulheres na TI obtiveram tantos feitos ao longo da história, por que ainda existem tão poucas delas atuando nesse campo? Vamos falar sobre isso no próximo tópico.

Por que existem poucas mulheres na TI?

A pergunta que dá título a este tópico tem mais de uma resposta, a começar pelas questões culturais. Por muito tempo, acreditou-se, histórica e subconscientemente, que profissões ligadas às ciências exatas combinam mais com homens e que eles teriam melhores habilidades que as mulheres nesse campo.

Parece absurdo, mas acontece ainda hoje. Nossa cultura ainda não se desvinculou de questões de Expectativa de Gênero. Se a criança nasce menina é cercada do universo da delicadeza, do cuidado, no qual é permitido ter sensibilidade, o que a estimula a se identificarem com as ciências humanas em detrimento das exatas.

Durante muito tempo, os computadores e videogames foram projetado e direcionados para o público masculino, enquanto as mulheres não eram incentivadas a explorar esses objetos.

Um outro motivo para encontrarmos poucas mulheres na TI é a insegurança gerada por um ambiente machista que as desacredita já em sua capacidade.

O ambiente predominantemente masculino não é um fator com o qual as mulheres precisam se acostumar quando iniciam sua vida profissional, ele já começa quando elas ingressam nas universidades.

Muitas vezes, após escolherem profissões ligadas à tecnologia, as mulheres decidem trocar de carreira em virtude das dificuldades que encontram.

Mesmo compondo a maioria dos estudantes de graduação (cerca de 57% segundo o Censo de Educação Superior), as mulheres representam apenas 25% dos trabalhadores do segmento da TI no Brasil.

Ou seja, ainda que tenham acesso ao ensino superior, a maioria das mulheres opta por profissões que se distanciam dos setores de tecnologia.

Se fosse uma escolha consciente, não haveria problemas. Mas a questão é que a maior parte das mulheres não foi incentivada nem a conhecer essa possibilidade de carreira.

Os desafios para as mulheres na TI

Um dos principais desafios a ser enfrentado pelas mulheres na TI é o ambiente de trabalho, que muitas vezes se mostra hostil, além do mercado oferecer salários menores a elas.

Ainda que não haja ameaças concretas à sua atuação, o ambiente predominantemente masculino e a competitividade desigual podem fazer com que essas profissionais não se sintam acolhidas e fiquem isoladas.

Há também a resistência ou o estranhamento dos clientes quando são atendidos por uma mulher, quando estão acostumados a lidarem com homens no mercado da TI.

Porém, muitas empresas de tecnologia estão investindo na capacitação de mulheres e numa gestão de mudanças interna.

Há especialistas que acreditam que as tarefas relacionadas ao estereótipo masculino, ou seja, ligadas à matemática, estatísticas, análises e previsões, passarão a ser realizadas por computadores.

Enquanto isso, o mundo da tecnologia já está necessitado da criatividade e da empatia historicamente atribuídas às mulheres, ainda que os estereótipos não sejam bem-vindos.

Além disso, o mercado de TI segue em ascensão e há uma defasagem de mão de obra qualificada. Segundo estudo divulgado pela Brasscom (Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação), a expectativa é que o mercado de TI pode sofrer um déficit de 290 mil profissionais em 2024.

Se esse não for suprido, gera outro número negativo: centenas de bilhões de reais em receita que deixaram de ser gerados. Adotar medidas que incentivam o ingresso da mulher no ramo de tecnologia também é uma questão de economia.

Então, é um ótimo momento para as mulheres mostrarem a que vieram.

É importante lembrar que nem todas as mulheres na TI trabalham com desenvolvimento de sistemas.

Há uma diversidade de atuações possíveis que precisam ser exploradas, como o desenvolvimento de jogos, aplicativos, sites, sistemas, além da segurança da informação, suporte técnico, business intelligence, gestão de dados, gestão de redes entre tantas outras. E é claro que sempre é possível empreender.

A boa notícia é que empresas de tecnologia andam lado a lado com a inovação e a tendem a responder rápido as demandas do mercado.

Nessa perspectiva, as empresas de tecnologia parecem caminhar rumo a um momento em que haverá tanto homens quanto mulheres na TI.

Se você é uma mulher e tem planos nesse campo , o momento é de resistência e capacitação. Que tal se aprofundar nas boas práticas de gestão de TI? Recomendamos a leitura do nosso artigo sobre certificação Itil e esperamos, em um futuro próximo, publicar um novo post sobre o significativo aumento do número mulheres na TI.

Conheça o Desk Manager - Gestão de CMDB