Apesar de ser um conceito relativamente novo, a Gestão do Conhecimento (GC) é extremamente importante para uma organização que busca um excelente desempenho no mercado.

Hoje, ela já é encarada como algo que vai além de simples práticas, tornando-se parte da estratégia comercial de uma empresa.

Quando falamos da área de Tecnologia da Informação (TI), ela se torna ainda mais necessária. Isso porque TI é um setor de grande turnover, termo em inglês para “rotatividade de pessoal”.

Isso significa que muitos colaboradores acabam saindo da empresa e, quando não há uma Gestão do Conhecimento estabelecida e efetiva, levam com eles práticas e conhecimentos estratégicos para o negócio.

Até que esses conhecimentos sejam conquistados pelos colaboradores que ficaram na empresa ou pelos que entraram nas novas vagas, perde-se um tempo precioso que poderia ser destinado a outros processos.

Conforme podemos ver nesta breve introdução, a Gestão do Conhecimento deixa de ser apenas necessária – ela se torna vital para uma área e, consequentemente, para o negócio.

Diante desse cenário, este artigo tem o objetivo de auxiliar você a entender o que é Gestão do Conhecimento e qual a importância dela para a área de TI.

Mostraremos também algumas dicas de como gerir conhecimento em seu negócio para que você consiga, com o tempo, fazer com que a Gestão do Conhecimento seja parte da cultura dele.

Boa leitura!

O que é Gestão do Conhecimento

O termo Gestão do Conhecimento começou a estar mais em voga no meio empresarial na década de 1990. Até então, as organizações se preocupavam mais em gerir seus bens tangíveis.

Como assim? Vamos explicar: os bens – ou ativos – tangíveis são os bens da empresa concretos, que podem ser tocados. Por exemplo: mobiliário, imóveis, máquinas etc.

Pois bem, as empresas só se preocupavam com esses ativos. Porém, com o tempo, foi-se percebendo a importância dos ativos intangíveis, que são aqueles em que não se pode tocar:

  • A estratégia da companhia;
  • A marca;
  • A capacidade de atrair e reter talentos;
  • A comunicação com o mercado e a sociedade;
  • Os valores;
  • A cultura da organização;
  • O conhecimento, entre outros.

Temos então um ponto de virada muito importante nos negócios, que passaram a considerar o conhecimento como algo com que se preocupar e, como consequência, gerenciar.

A Gestão do Conhecimento surge como um conjunto de práticas de gestão voltadas para produção, retenção, compartilhamento e aplicação do conhecimento nas organizações e na relação dos negócios com o mundo exterior.

Essas práticas devem estar alinhadas com a missão, as estratégias e a visão de futuro da organização. Isso pode ser traduzido em aumento da produtividade, melhora da qualidade dos produtos e serviços oferecidos, aumento da satisfação dos clientes, inovação e, em consequência, melhorias de rentabilidade e desempenho no mercado.

Mas por que a Gestão do Conhecimento é importante para a área de TI? Veja a seguir.

Importância da Gestão do Conhecimento para a área de TI

A última pesquisa divulgada pela Sociedade Brasileira de Gestão do Conhecimento indicou que 66% dos entrevistados (entre empresas privadas, empresas públicas, organizações do Terceiro Setor, membros da Academia e de setores governamentais) não possuíam uma política ou estratégia escrita sobre Gestão do Conhecimento.

Por outro lado, 63% disseram que não tinham alguém atuando diretamente em uma função de Gestão do Conhecimento, porém o compartilhamento era uma tarefa importante para a cultura dessas organizações.

Pelo que se pode perceber com a pesquisa, apesar de a Gestão do Conhecimento ainda não ser algo explicitamente instituído nas empresas, sua importância já é considerada, levando a algumas estratégias.

Quando pensamos no setor de tecnologia, ela se faz ainda mais fundamental. Um relatório divulgado pelo LinkedIn mostrou que essa área é a que tem mais rotatividade (13,2%). Alguns dos motivos para esse cenário são:

  • Escassez de profissionais qualificados;
  • Excesso de vagas;
  • Oferta de salários altos;
  • Ambientes de trabalho pouco amistosos;
  • Falta de oportunidades para autodesenvolvimento profissional e consequente progressão.

Se a rotatividade no setor de TI é grande, podemos concluir que o conhecimento desses profissionais também é rotativo, ou seja, vai embora da empresa com eles. E é aí que a Gestão do Conhecimento se faz fundamental.

Imagine que você é dono do negócio e investe uma quantia por ano em treinamentos para seus funcionários de TI. Eles vão a convenções, realizam cursos, tudo com o apoio da empresa.

Porém, se você não estabelece um mecanismo de compartilhamento desses saberes entre todos, corre o risco de perdê-los com a saída de algum colaborador.

Essa situação impacta negativamente não apenas seu quadro de colaboradores, mas o negócio como um todo. Você vai precisar alocar recursos para recrutamento e treinamento de uma nova pessoa, assim como arcar com os custos de rescisão contratual.

Esses valores gastos seriam mais bem empregados em automação de processos, treinamentos para a equipe, prospecção de clientes e estratégias para retê-los com seu negócio. Tudo isso, alinhado a uma boa Gestão do Conhecimento, é sinônimo de sucesso em sua performance organizacional.

Como fazer uma Gestão do Conhecimento eficiente?

A Gestão do Conhecimento deve ir além das práticas e ser transformada em um hábito. Os colaboradores atualmente estão cada vez mais preparados e com mais conhecimentos e capacidade técnica.

Não há como poucas pessoas dominarem todos os aspectos de uma tecnologia, saber todos os recursos de uma plataforma ou de ferramentas disponíveis no negócio. Por isso, esses conhecimentos precisam ser compartilhados e estratégicos.

Com isso, a empresa deve fazer uma Gestão do Conhecimento eficiente. Veja cinco dicas que separamos para aplicá-la em seu negócio.

1. Valorize seus colaboradores

Seus colaboradores podem ter um grande know-how e serem eficientes no que fazem. Porém, se não se sentirem parte da empresa e principalmente valorizados, sairão na primeira oportunidade melhor que tiverem.

Não estamos falando apenas de salário. É claro que ele é importante, mas, com o passar do tempo, se o colaborador não se sentir motivado, se não vir sentido no que faz, o salário não será prioridade ao pensar em mudanças.

Por isso, vá além de bonificações e promoções. Verifique se alguém está sobrecarregado e sempre dê feedback, mostrando que está atento ao trabalho desempenhado e deseja colaborar para que ele melhore.

O reconhecimento está no dia a dia, no fazer o colaborador se sentir em algo maior, que o envolve e o faz vestir a camisa e ser feliz na empresa.

2. Estimule o aprendizado

Esta dica está intimamente ligada à anterior. Quando você estimula que seus colaboradores aprendam novos conhecimentos e técnicas, você demonstra se preocupar com eles e com a performance que têm na empresa.

Lembre-se sempre de que são eles que detêm o conhecimento tanto da técnica quanto da prática, e que isso precisa ser sempre aprimorado. Ainda mais no setor de TI, que passa por constantes e rápidas transformações.

Estimular o aprendizado é saber gerir esses recursos intangíveis.

3. Mapeie o conhecimento organizacional

É preciso que você verifique o que os colaboradores dominam. A partir disso, será possível checar se existem lacunas, em quais técnicas eles precisam ser atualizados constantemente e o que precisa ser treinado e estimulado.

Para fazer esse mapeamento, você pode entrevistar seus colaboradores, aplicar questionários, verificar incidentes que tenham sido críticos e observar o desempenho no dia a dia. É recomendável também dar espaço para que os próprios colaboradores informem quais competências acham necessárias para eles.

4. Invista em canais de discussão

Seus colaboradores precisam ter oportunidades de discutir e compartilhar conhecimento. Uma boa ferramenta para isso são os canais digitais, em que possam ser sanadas dúvidas recorrentes.

Utilize também redes sociais corporativas para que os colaboradores possam interagir e trocar ideias. Porém, lembre-se sempre de que eles também precisam estar em uma cultura de reuniões constantes para alinhamento e debates.

A troca de experiências aumenta a colaboração na equipe e permite que eles aprimorem suas capacidades intelectuais e técnicas.

5. Tenha uma estrutura de arquivamento

É importante que você implemente mecanismos para arquivar documentos e conteúdos, que podem ser físicos ou digitais, além de informações de atualização de processos.

Estabeleça também alguns parâmetros de procedimentos e confecção de documentos e relatórios, mantendo a unidade do trabalho da equipe.

Você pode ainda escolher um colaborador para ser o guardião desses processos, ou ser você mesmo quem desempenhe esse papel.

Como vimos, não há como contestar a importância de ter uma excelente Gestão do Conhecimento em seu negócio, principalmente devido às altas taxas de rotatividade em TI. Vale lembrar que não adianta saber tudo sobre gestão do conhecimento se você não souber, primeiro, gerenciar bem a sua equipe. Por isso, leia um artigo que preparamos sobre o que é necessário para o cargo de gestor de TI e como gerenciar sua equipe clicando aqui.