A gestão de dados sempre foi um assunto relevante para os negócios, porém, com a nova LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados), ela subiu muito na escala de prioridades.

É um desafio trabalhar com os dados mantendo ao mesmo tempo as vantagens de sua utilização e a segurança, tanto para a empresa, quanto para o cliente.

Mas, atingindo um diferencial na gestão de dados dos seus clientes, você pode conquistar a confiança deles, o que é um grande passo para sua fidelização.

Se você passou a pensar mais sobre a gestão de dados da sua empresa com a promulgação da LGPD, você precisa ler esse artigo.

Nos tópicos a seguir traremos várias dicas de como cuidar das informações dos seus clientes, levando em consideração a nova lei.

Sobre a gestão de dados

Antes mesmo das discussões sobre a LGPD, a gestão de dados já era um assunto em ascensão, pois é a partir da adequada utilização dos dados que os grandes negócios são feitos. Ou seja, a gestão de dados implica, entre outras coisas, na transformação desses dados em uma espécie de inteligência empresarial.

Pensava-se, a princípio, que a gestão de dados era uma responsabilidade exclusiva dos profissionais de Tecnologia da Informação. Porém não é bem assim.

Com a ampliação das fontes de coleta de dados e das maneiras de utilizá-los e, mais recentemente, com a promulgação da LGPD, essa passou a ser uma responsabilidade de todos os setores da empresa.

A gestão de dados é feita em todo o seu ciclo de vida. Não é apenas no ciclo do desenvolvimento dos sistemas.

Portanto, se sua equipe ainda não está ciente e com uma postura ativa quando o assunto é a gestão de dados, talvez seja a hora de pensar em uma gestão de mudanças na sua empresa.

Mas isso não quer dizer que a gestão de TI não tenha papel preponderante com as mudanças consequentes da LGPD.

Sobre a LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados foi discutida, elaborada e promulgada em decorrência de necessidades latentes na Era da informação.

Seguindo o exemplo de outros países, que já possuem legislações específicas referentes à proteção de dados, o Brasil criou a LGPD para conter e prevenir novos problemas relacionados ao vazamento e má utilização de dados.

A Lei se baseia em princípios constitucionais, como a liberdade e a privacidade, visando à segurança dos cidadãos, sobretudo nos meios digitais.

A LGPD vem com a promessa de obter maior transparência na gestão de dados pelas empresas, já que prevê punições diversas em caso de descumprimento de suas normas.

As empresas precisarão, por exemplo, justificar a coleta de dados com base em seus objetivos, que precisam estar claros.

E os clientes também passam a ter mais autonomia com relação aos seus dados: eles podem escolher manter ou retirar suas informações dos bancos de dados, por exemplo.

Cenário atual

Na era da informação, os avanços tecnológicos não param. Tarefas que demandavam horas, e até dias, de serviço há alguns anos, agora são resolvidas com um simples clique.

Dados que levavam muito tempo para serem trabalhados e relacionados uns com os outros, agora podem ser organizados com a utilização de ferramentas criadas especialmente para este fim.

A internet constitui um universo paralelo em que é possível fazer quase tantas coisas quantas se pode fazer no mundo real, inclusive cometer crimes.

As relações digitais revolucionaram o mundo, que precisou criar mecanismos que abordassem essas novas realidades. Aqui no Brasil, a LGPD é uma dessas ferramentas.

Os dados, que quando organizados coerentemente se transformam em informações, são um dos bens mais valorizados na atualidade quando se pensa nos negócios. Então, é preciso cuidar bem deles.

Armazenamento, tratamento, exposição e compartilhamento de dados são feitos a todo instante. E esses processo nem sempre se realizam de forma segura e com finalidades legítimas.

É nesse cenário que se insere a LGPD. Ela entra em vigor em agosto de 2020 e tem como objetivos criar uma cultura de proteção de dados nas organizações e atualizar conceitos, o que vai proporcionar maior segurança jurídica para as organizações e desenvolvimento econômico para o país.

Como devem ser tratadas as informações do seu cliente?

Como já foi dito, com a LGPD, o cliente passa a ter maior autonomia com relação a como seus dados serão tratados.

Na prática, ele deverá ter acesso aos dados que estão sob tutela da empresa, poderá solicitar a correção de dados desatualizados ou incompletos, ser informado a respeito de seu compartilhamento e até solicitar a exclusão de seus dados. Para a exclusão de dados  existe uma ressalva. Quando estes dados não interferirem na sua "vida útil" com sua empresa.

Por exemplo: Eu não posso pedir para uma empresa na qual eu financiei um imóvel exclua meus dados, pois caso o fizesse, não teria como aquele serviço ser cobrado e ele seria interrompido.

As empresas precisam estar preparadas para atender a esse tipo de solicitação do cliente, que não era comum. Mas as mudanças não param por aí.

A chave para atender às exigências da nova lei são as medidas de segurança. É preciso tomar decisões técnicas e administrativas que visem à proteção dos dados pessoais do cliente.

Há que se combater os acessos não autorizados e os possíveis acidentes que causem a perda, a alteração, o compartilhamento ou qualquer outro tratamento inadequado aos dados do cliente.

Para alcançar esses objetivos, as empresas devem contratar assistência jurídica especializada e podem contratar  uma MSSP, que é uma empresa terceirizada especializada em serviços de TI relacionados à segurança da informação.

Procedimentos internos

A LGPD recomenda que as empresas criem regulamentos internos de boas práticas e de governança que deixem claros os procedimentos e as normas de segurança a serem seguidos, bem como os padrões adotados e as obrigações individuais de cada colaborador ou setor envolvido na gestão de dados.

É possível também pensar em ações educativas que estimulem os colaboradores a se preocuparem, não só com o cumprimento da lei, mas com a segurança e a proteção dos dados da empresa e do cliente.

Quando os dados alcançarem os objetivos para os quais foram coletados, ou quando deixarem de ser necessários, acaba o período de tratamento de dados e a empresa não poderá mantê-los a não ser para finalidades específicas previstas na Lei.

Sanções

Em caso de não cumprimento das novas regras, a empresa pode ser punida tanto civil quanto administrativamente.

As sanções vão desde a advertência até as altas multas e a divulgação da infração cometida, além da eliminação dos dados pessoais relacionados à infração.

Portanto, é preciso se adequar à nova regulamentação. Contudo, mais do que isso, é preciso tomar consciência sobre a importância do cuidado na gestão de dados.

As informações do seu cliente são um bem de fundamental importância para a saúde do seu negócio. Então, claramente você precisa tratá-las adequadamente, com o devido sigilo e proteção.

Benefícios

Como dito anteriormente, além do cumprimento da lei, é preciso se preocupar com o valor gerado quando você cuida bem dos dados do seu cliente.

Garantir ao seu cliente o sigilo, a privacidade e a segurança de que ele necessita vai criar uma imagem positiva de respeito e responsabilidade para sua empresa.

Consequentemente, o relacionamento com o cliente e a satisfação do mesmo serão fortalecidos.

E todos os procedimentos de segurança que você adotar podem e devem chegar ao conhecimento do cliente por meio de uma comunicação assertiva.

Para além das estratégias de marketing da sua empresa, a gestão responsável dos dados com os quais você lida cotidianamente também auxilia no crescimento do seu negócio como um todo.

Assim, gerindo adequadamente as informações, você cria mecanismos de utilizá-las de forma vantajosa para o seu negócio e ainda consegue cumprir a nova lei.

Conclusão

A gestão de dados é um procedimento fundamental em todas as empresas, sejam de pequeno, médio ou grande porte.

Porém, é necessário que essa gestão não só siga os parâmetros da LGPD, mas também crie uma inteligência de negócios para sua empresa e fortaleça seu relacionamento com o cliente.

E para que seu cliente permaneça satisfeito, é fundamental investir no atendimento, pois é nessa etapa que ele começa a adquirir a confiança em sua empresa.

Enfim, se você compreendeu que a adequada gestão de dados da sua empresa está diretamente relacionada à satisfação do cliente, que tal pensar um pouco sobre a obtenção de um atendimento de excelência? Assista o nosso webinar sobre a importância do Help Desk clicando aqui.

Conhecer o Desk Manager: Gerenciador de Chamados